sexta-feira, 30 de abril de 2010

Oficina

A oficina já vai adiantada. Ali o sr. AC vai poder fazer o que bem entender e dar largas à imaginação: lixar, martelar, soldar, cortar, pintar. Eu vou poder esconder à socapa as tralhas que já não me fazem falta mas que não tenho coragem para deitar fora.

Oficina

A oficina já vai adiantada. Ali o sr. AC vai poder fazer o que bem entender e dar largas à imaginação: lixar, martelar, soldar, cortar, pintar. Eu vou poder esconder à socapa as tralhas que já não me fazem falta mas que não tenho coragem para deitar fora.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

My precious

Ei-lo, o meu outro mais-que-tudo, o que me tem dado umas noites fantásticas e descansadinhas, tão jeitoso, tão querido.
Ahhhhhh.....:) As minhas costas parecem outras! :)

Supostamente esta fotografia devia retratar os meus saltos de alegria (contidos para não partir o estrado) em cima da cama no dia em que o colchão chegou. Mas não, parece mesmo é que tenho as pernas tortas como as da Carolina Patrocínio (Carolina, não leves a mal. Quem me dera a mim ter pernas como as tuas. Mesmo que tortas como o raio). A culpa é do fotógrafo ok?

My precious

Ei-lo, o meu outro mais-que-tudo, o que me tem dado umas noites fantásticas e descansadinhas, tão jeitoso, tão querido.
Ahhhhhh.....:) As minhas costas parecem outras! :)

Supostamente esta fotografia devia retratar os meus saltos de alegria (contidos para não partir o estrado) em cima da cama no dia em que o colchão chegou. Mas não, parece mesmo é que tenho as pernas tortas como as da Carolina Patrocínio (Carolina, não leves a mal. Quem me dera a mim ter pernas como as tuas. Mesmo que tortas como o raio). A culpa é do fotógrafo ok?

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Verlacqua

Ora aqui está o verniz que utilizámos no chão do quarto e nas escadas - verniz aquoso para assoalhados Robbialac Verlacqua. Foi pegar na trincha e zás, espalhar pelo chão. Claro que deu muito trabalho ao sr. AC que teve de andar lá agachado mas ainda assim pareceu-me um produto fácil de aplicar. Não salpica e rende bastante. Levou 2 demão e ainda assim ficámos com 1/3 da lata por usar. Como não queriamos que ficasse brilhante optámos pela versão mate.
48 horas depois já estávamos a montar os roupeiros e as mesinhas de cabeceira. No centro do quarto colocámos um tapete grande de juta.

Verlacqua

Ora aqui está o verniz que utilizámos no chão do quarto e nas escadas - verniz aquoso para assoalhados Robbialac Verlacqua. Foi pegar na trincha e zás, espalhar pelo chão. Claro que deu muito trabalho ao sr. AC que teve de andar lá agachado mas ainda assim pareceu-me um produto fácil de aplicar. Não salpica e rende bastante. Levou 2 demão e ainda assim ficámos com 1/3 da lata por usar. Como não queriamos que ficasse brilhante optámos pela versão mate.
48 horas depois já estávamos a montar os roupeiros e as mesinhas de cabeceira. No centro do quarto colocámos um tapete grande de juta.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Ai as alegrias de morar no campo

Episódio 1: Grandes dilemas da humanidade (ou da alegre casinha, vá)

Ter em casa aranholas do tamanho de um sapato ou estas lindas e mimosas centopeias que por acaso comem as ditas aranholas e mais a restante bicharada?

Ai as alegrias de morar no campo

Episódio 1: Grandes dilemas da humanidade (ou da alegre casinha, vá)

Ter em casa aranholas do tamanho de um sapato ou estas lindas e mimosas centopeias que por acaso comem as ditas aranholas e mais a restante bicharada?

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Bimby?

A Bimby - a tal que foi oferecida há mais de um ano e que ainda não tinhamos ido buscar à garagem da casa do pai do sr.AC - pousou na bancada lá de casa. Vamos lá a ver se faz mesmo maravilhas ou se é fogo de vista...
Entretanto hoje é "o" dia de quebra-cabeças com os móveis do IKEA. Amanhã espero ter umas fotos para ilustrar o processo.

Bimby?

A Bimby - a tal que foi oferecida há mais de um ano e que ainda não tinhamos ido buscar à garagem da casa do pai do sr.AC - pousou na bancada lá de casa. Vamos lá a ver se faz mesmo maravilhas ou se é fogo de vista...
Entretanto hoje é "o" dia de quebra-cabeças com os móveis do IKEA. Amanhã espero ter umas fotos para ilustrar o processo.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Puzzle

Balanço do "estrago" de ontem:

(...e mais umas quantas coisas...)

Entretanto temos de começar a pensar como encaixar estas peças harmoniosamente lá por casa. A parte do caixote do lixo ou dos puxadores para as gavetas de cozinha, por exemplo, é óbvia. Já a parte do quarto exige uns quantos ensaios. Vamos lá a ver como corre...

Puzzle

Balanço do "estrago" de ontem:

(...e mais umas quantas coisas...)

Entretanto temos de começar a pensar como encaixar estas peças harmoniosamente lá por casa. A parte do caixote do lixo ou dos puxadores para as gavetas de cozinha, por exemplo, é óbvia. Já a parte do quarto exige uns quantos ensaios. Vamos lá a ver como corre...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Necessidades

Hoje vamos ao IKEA fazer umas compras essenciais ao nosso bem estar: roupeiro, mesas de cabeceira e uma tarte princesa.

Necessidades

Hoje vamos ao IKEA fazer umas compras essenciais ao nosso bem estar: roupeiro, mesas de cabeceira e uma tarte princesa.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Já está

Comprámos o colchão. Fomos finalmente ao cinema ver o Alice no País das Maravilhas - se querem saber não gostei assim muito e talvez até tenha dormitado numa parte ou outra - e aproveitámos para ir ver a loja de colchões. Com 5 ou 6 modelos à escolha do freguês tivemos mesmo de nos deitar nos colchões para ver qual se adaptava melhor às nossas necessidades.
Pois que assim que me deitei num colchão daqueles nem queria acreditar e muito menos sair dali. Desde a passagem de ano que andamos a dormir no chão em cima de um colchãozeco feito de esponja. Todas as curvaturas da minha coluna, tudo o que é vértebra, anda a suplicar por um descanso mais condigno. Então lá comprámos um modelo bem jeitoso e adaptado à nossa carteira. Sim, porque há colchões que valem mais que o meu carro (o que também não é muito difícil).
Agora é só esperar 15 dias (chuif) para que a encomenda chegue. Até lá vamos dar os últimos retoques na cama e dar a segunda demão de verniz no soalho.

Já está

Comprámos o colchão. Fomos finalmente ao cinema ver o Alice no País das Maravilhas - se querem saber não gostei assim muito e talvez até tenha dormitado numa parte ou outra - e aproveitámos para ir ver a loja de colchões. Com 5 ou 6 modelos à escolha do freguês tivemos mesmo de nos deitar nos colchões para ver qual se adaptava melhor às nossas necessidades.
Pois que assim que me deitei num colchão daqueles nem queria acreditar e muito menos sair dali. Desde a passagem de ano que andamos a dormir no chão em cima de um colchãozeco feito de esponja. Todas as curvaturas da minha coluna, tudo o que é vértebra, anda a suplicar por um descanso mais condigno. Então lá comprámos um modelo bem jeitoso e adaptado à nossa carteira. Sim, porque há colchões que valem mais que o meu carro (o que também não é muito difícil).
Agora é só esperar 15 dias (chuif) para que a encomenda chegue. Até lá vamos dar os últimos retoques na cama e dar a segunda demão de verniz no soalho.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Há um ano foi assim

Gosto muito de fotografia e tenho por hábito andar sempre com a máquina atrás, em modo "point-and-shoot". Honestamente não tiro fotografias a pensar que vão ficar uma obra de arte ou deixar meio mundo boquiaberto. Gostava muito mas não é disso que se trata. Falta-me o talento e a paciência. O que acontece é que eu gosto realmente de ver registos de transformações. Essas transformações podem ser pessoais - quando reparamos o quanto nós ou os que nos rodeiam mudaram ao longo dos anos - ou transformações como as da Alegre Casinha. Há precisamente um ano atrás a nossa casa estava neste lindo estado. Olho para ela e lembro-me de tudo o que já passámos, o esforço, o trabalho. A motivação. O desalento. O que já nos rimos. O que ainda falta fazer.
Percebem porque é que gosto tanto de fotografia?

Há um ano foi assim

Gosto muito de fotografia e tenho por hábito andar sempre com a máquina atrás, em modo "point-and-shoot". Honestamente não tiro fotografias a pensar que vão ficar uma obra de arte ou deixar meio mundo boquiaberto. Gostava muito mas não é disso que se trata. Falta-me o talento e a paciência. O que acontece é que eu gosto realmente de ver registos de transformações. Essas transformações podem ser pessoais - quando reparamos o quanto nós ou os que nos rodeiam mudaram ao longo dos anos - ou transformações como as da Alegre Casinha. Há precisamente um ano atrás a nossa casa estava neste lindo estado. Olho para ela e lembro-me de tudo o que já passámos, o esforço, o trabalho. A motivação. O desalento. O que já nos rimos. O que ainda falta fazer.
Percebem porque é que gosto tanto de fotografia?

quinta-feira, 15 de abril de 2010

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Isto não interessa nada mas...

...quando - depois de uma sessão de pintura com bondex azul sem direito a luvas porque foram umas grandes preguiçosas e não as procuraram decentemente - ficarem com as unhas tingidas de azul que não saí nem à força de lixívia e muita esfregadela, pintem as mesmas com Verniz 60'seconds vermelho Highland 330. Está para as unhas como a tinta à base de cal está para as paredes: tapa tudo!

Isto não interessa nada mas...

...quando - depois de uma sessão de pintura com bondex azul sem direito a luvas porque foram umas grandes preguiçosas e não as procuraram decentemente - ficarem com as unhas tingidas de azul que não saí nem à força de lixívia e muita esfregadela, pintem as mesmas com Verniz 60'seconds vermelho Highland 330. Está para as unhas como a tinta à base de cal está para as paredes: tapa tudo!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Um tesouro chamado Sortelha

Quem costuma ler os nossos posts sabe que as nossas últimas férias foram em Sortelha, aldeia que ainda não conhecíamos. E que apesar de termos apanhado os resquícios de um grande incêndio ficámos encantados com a beleza do local. Um tesouro vivo. Raro. Em Sortelha fomos muito bem recebidos, descansámos, comemos bem e enchemos a alma de tranquilidade e paz. Um tesouro vivo, a sério. Mas os tesouros também precisam de ser cuidados, acarinhados, protegidos. E é por isso que o mínimo que podemos fazer é divulgar este blogue http://vamossalvarsortelha.blogspot.com/que nos foi dado a conhecer por Joaquim Tomé . Para quem não sinta "aquela" empatia com a causa porque até não conhece a aldeia aqui fica a sugestão: visitem Sortelha e apaixonem-se! Não se vão arrepender, palavra de AC! E depois... voltem ao blogue http://vamossalvarsortelha.blogspot.com/...

Um tesouro chamado Sortelha

Quem costuma ler os nossos posts sabe que as nossas últimas férias foram em Sortelha, aldeia que ainda não conhecíamos. E que apesar de termos apanhado os resquícios de um grande incêndio ficámos encantados com a beleza do local. Um tesouro vivo. Raro. Em Sortelha fomos muito bem recebidos, descansámos, comemos bem e enchemos a alma de tranquilidade e paz. Um tesouro vivo, a sério. Mas os tesouros também precisam de ser cuidados, acarinhados, protegidos. E é por isso que o mínimo que podemos fazer é divulgar este blogue http://vamossalvarsortelha.blogspot.com/que nos foi dado a conhecer por Joaquim Tomé . Para quem não sinta "aquela" empatia com a causa porque até não conhece a aldeia aqui fica a sugestão: visitem Sortelha e apaixonem-se! Não se vão arrepender, palavra de AC! E depois... voltem ao blogue http://vamossalvarsortelha.blogspot.com/...

Porquê?????

Ele há colchões de todos os tipos. Firmes, extra firmes, mega firmes, moles, intermédios, super moles.De latex, viscoelástico, rubex, esponja, bultex, aerviex, molas, isopul.
Só não há o raio da medida que nós queremos.Chuif.

Porquê?????

Ele há colchões de todos os tipos. Firmes, extra firmes, mega firmes, moles, intermédios, super moles.De latex, viscoelástico, rubex, esponja, bultex, aerviex, molas, isopul.
Só não há o raio da medida que nós queremos.Chuif.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Vai mas volta!

Eis que ela vai de viagem. Seis meses inteirinhos em Cabo Verde a trabalhar na área de cooperação e desenvolvimento. Pois que eu estou muito orgulhosa e contente por esta escolha. É que não é qualquer pessoa que decide afastar-se 6 meses para ir trabalhar como voluntária noutro país. E tenho cá para mim que esta decisão vai trazer muitas coisas boas!
Ontem fizemos uma almocinho de despedida na AC. Juntaram-se as marias (quase) todas mais os ilustres acompanhantes e lá fomos dar um passeio para encher a alma de azul e falar sobre tudo e sobre nada.
Cenoura Maria: estamos aqui à tua espera! ;)

Vai mas volta!

Eis que ela vai de viagem. Seis meses inteirinhos em Cabo Verde a trabalhar na área de cooperação e desenvolvimento. Pois que eu estou muito orgulhosa e contente por esta escolha. É que não é qualquer pessoa que decide afastar-se 6 meses para ir trabalhar como voluntária noutro país. E tenho cá para mim que esta decisão vai trazer muitas coisas boas!
Ontem fizemos uma almocinho de despedida na AC. Juntaram-se as marias (quase) todas mais os ilustres acompanhantes e lá fomos dar um passeio para encher a alma de azul e falar sobre tudo e sobre nada.
Cenoura Maria: estamos aqui à tua espera! ;)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

lembretes

Lembretes # 1
Depois dos srs da MEO instalarem o telefone não dar o número a ninguém, jamais em tempo algum, exceptuando família e amigos.
Duas semanas sem ir à casa de Lisboa e já não me lembrava do quanto me enerva os telefonemas de marketing e publicidade. Aliás, foi por estar sempre a ser "publicitariamente" assedidada que deixei de atender o telefone quando não reconhecia o número. Nos dias em que o bombardeamento era mais intenso (depois dos 5 telefonemas em menos de 2 horas) levantava o auscultador e desligava logo a seguir. Isto para dizer que ontem ligaram-me de uma empresa de estudos de mercado por causa de um estudo sobre publicidade. Era dirigido a meninos teenargers e por isso pude despachá-los rapidamente. Já eram 22h00 quando uma moça me liga para me explicar as maravilhosas e fantásticas vantagens de fazer uma assinatura anual da revista Visão e/ou revista Caça e Pesca. Às 22h?! Eu acordo às 6h10! Às 22h já estou nos preparativos para me alapar na caminha com comando na mão a ver o Bear Grylls num qualquer lugar inóspito a comer um qualquer bicho gastrópede cheio de nhaca. Mas esta que vos fala é um coração mole, uma farófia de pessoa, solidária para com quem trabalha em televendas. Quase com um sentimento de culpa declinei a amável oferta e rematei a conversa com um "obrigada, boa noite e bom trabalho". Pois é. Só me falta é aprender a fazer isto em menos de 10 segundos.

lembretes

Lembretes # 1
Depois dos srs da MEO instalarem o telefone não dar o número a ninguém, jamais em tempo algum, exceptuando família e amigos.
Duas semanas sem ir à casa de Lisboa e já não me lembrava do quanto me enerva os telefonemas de marketing e publicidade. Aliás, foi por estar sempre a ser "publicitariamente" assedidada que deixei de atender o telefone quando não reconhecia o número. Nos dias em que o bombardeamento era mais intenso (depois dos 5 telefonemas em menos de 2 horas) levantava o auscultador e desligava logo a seguir. Isto para dizer que ontem ligaram-me de uma empresa de estudos de mercado por causa de um estudo sobre publicidade. Era dirigido a meninos teenargers e por isso pude despachá-los rapidamente. Já eram 22h00 quando uma moça me liga para me explicar as maravilhosas e fantásticas vantagens de fazer uma assinatura anual da revista Visão e/ou revista Caça e Pesca. Às 22h?! Eu acordo às 6h10! Às 22h já estou nos preparativos para me alapar na caminha com comando na mão a ver o Bear Grylls num qualquer lugar inóspito a comer um qualquer bicho gastrópede cheio de nhaca. Mas esta que vos fala é um coração mole, uma farófia de pessoa, solidária para com quem trabalha em televendas. Quase com um sentimento de culpa declinei a amável oferta e rematei a conversa com um "obrigada, boa noite e bom trabalho". Pois é. Só me falta é aprender a fazer isto em menos de 10 segundos.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Bancos


Um amigo ofereceu-nos umas pedras muito giras que em tempos serviram de apoios para grandes pipas de vinho.
Com as devidas adaptações a oferta resultou em 2 bancos bem catitas para ter na parte da frente da casa, por baixo do telheirinho. Para além das pedras o sr. AC utilizou uns barrotes para encaixar nos entalhos que por sua vez funcionam como suporte para o topo do banco (uma prancha de madeira com 40 cm de largura). Todas as madeiras foram tratadas com imunizador castanho.

Bancos


Um amigo ofereceu-nos umas pedras muito giras que em tempos serviram de apoios para grandes pipas de vinho.
Com as devidas adaptações a oferta resultou em 2 bancos bem catitas para ter na parte da frente da casa, por baixo do telheirinho. Para além das pedras o sr. AC utilizou uns barrotes para encaixar nos entalhos que por sua vez funcionam como suporte para o topo do banco (uma prancha de madeira com 40 cm de largura). Todas as madeiras foram tratadas com imunizador castanho.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Vinde até nós! Vinde!


Amanhã os srs. da Meo vão lá a casa e acabam-se os meus problemas existenciais que geralmente terminam com a televisão desligada. Neste momento a nossa televisão - que durante 15 anos habitou no quarto da outra casa - capta apenas os 4 canais nacionais. Infelizmente nos últimos dias a rtp2 decidiu que já não nos visitava mais e deixou-me a braços com a terrível decisão: ou vejo a novela do golfinho de borracha que guincha à beira da praia para uma "senhora-pescadora-mestre-de-mini-traineira-que-parte-dos-Açores-à-tarde-e-chega-a-Setúbal-pela-manhazinha" ou vejo a novela dos corações apaixonados onde há muita lágrima e drama. Tenho também uma terceira hipótese...e vejo o programa da RTP1 em que criançinhas respondem a perguntas e mostram que são muito espertas e engraçadinhas. Pois que detesto programas de crianças. Não é por mal, a sério, que eu até gosto muito de gaiatos. Mas armados ao pingarelho dão-me nervos. E também não gosto quando vão cantar para a televisão com aquelas fatiotas à "homenzinho" ou "mulherzinha", abanando desengonçadamente a anca e batendo o pézinho. Com excepção para o Joselito El Rouxinol não gosto ouvir crianças a cantar. E vai daí fico a ver a novela do golfinho - que até pode ser vista como uma boa comédia - ou acabo por desligar a televisão. Mas amanhã tudo vai mudar! Ai vai, vai. Oh yeah!

Vinde até nós! Vinde!


Amanhã os srs. da Meo vão lá a casa e acabam-se os meus problemas existenciais que geralmente terminam com a televisão desligada. Neste momento a nossa televisão - que durante 15 anos habitou no quarto da outra casa - capta apenas os 4 canais nacionais. Infelizmente nos últimos dias a rtp2 decidiu que já não nos visitava mais e deixou-me a braços com a terrível decisão: ou vejo a novela do golfinho de borracha que guincha à beira da praia para uma "senhora-pescadora-mestre-de-mini-traineira-que-parte-dos-Açores-à-tarde-e-chega-a-Setúbal-pela-manhazinha" ou vejo a novela dos corações apaixonados onde há muita lágrima e drama. Tenho também uma terceira hipótese...e vejo o programa da RTP1 em que criançinhas respondem a perguntas e mostram que são muito espertas e engraçadinhas. Pois que detesto programas de crianças. Não é por mal, a sério, que eu até gosto muito de gaiatos. Mas armados ao pingarelho dão-me nervos. E também não gosto quando vão cantar para a televisão com aquelas fatiotas à "homenzinho" ou "mulherzinha", abanando desengonçadamente a anca e batendo o pézinho. Com excepção para o Joselito El Rouxinol não gosto ouvir crianças a cantar. E vai daí fico a ver a novela do golfinho - que até pode ser vista como uma boa comédia - ou acabo por desligar a televisão. Mas amanhã tudo vai mudar! Ai vai, vai. Oh yeah!

terça-feira, 6 de abril de 2010

Botão Militar

No passeio de sexta-feira encontrámos, junto a um velho poço, este botão militar da marca Firmin&Westall, uma firma sita na Strand que fabricou botões e outros ornamentos militares. Uma pesquisa rápida pelo sr. Google situa o dito botão algures entre 1794 e 1833, coincidente com a invasão francesa pelas nossas bandas. Depois de uma limpeza pode ser que se descubra mais alguma coisa...

Botão Militar

No passeio de sexta-feira encontrámos, junto a um velho poço, este botão militar da marca Firmin&Westall, uma firma sita na Strand que fabricou botões e outros ornamentos militares. Uma pesquisa rápida pelo sr. Google situa o dito botão algures entre 1794 e 1833, coincidente com a invasão francesa pelas nossas bandas. Depois de uma limpeza pode ser que se descubra mais alguma coisa...

segunda-feira, 5 de abril de 2010

A modos que foi assim...




Na sexta-feira aproveitámos o feriado para dar um passeio, daqueles que desentorpecem o corpo e a alma. Fomos até ao fim da nossa rua - que não tem saída - e metemo-nos pelo campo fora. Andámos, andámos e andámos. Passámos pelo vale, descemos até ao pinhal e fomos encontrar um campo amarelo de tremocilha (digo eu que é tremocilha, não faço ideia) que tinha um cheiro maravilhoso. Ao longe já viamos o mar. Andámos mais e fomos ver a pequena praia aninhada entre as rochas. Nas lajes um pescador solitário desafiava o mar aparentemente calmo. Duas horas depois foi hora de voltar.

A modos que foi assim...




Na sexta-feira aproveitámos o feriado para dar um passeio, daqueles que desentorpecem o corpo e a alma. Fomos até ao fim da nossa rua - que não tem saída - e metemo-nos pelo campo fora. Andámos, andámos e andámos. Passámos pelo vale, descemos até ao pinhal e fomos encontrar um campo amarelo de tremocilha (digo eu que é tremocilha, não faço ideia) que tinha um cheiro maravilhoso. Ao longe já viamos o mar. Andámos mais e fomos ver a pequena praia aninhada entre as rochas. Nas lajes um pescador solitário desafiava o mar aparentemente calmo. Duas horas depois foi hora de voltar.